Desejo que você seja e esteja sob sua própria maestria.

Chego ao final de mais um ciclo de 21 dias. Estou mais forte, mais centrada, mais conectada comigo mesma, com a fonte real e Divina e o meu propósito.

Durante esses dias pude agradecer a minha força, minha coragem e o caminho que venho trilhando até aqui. O que me resgatou do lugar onde estava patinando , escorregando e não obtendo os resultados que eu quero, foi estar primeiramente disposta a ver e depois reconhecer onde eu estava falhando, entender a minha responsabilidade e também minha capacidade de fazer novas escolhas.

São muitos os desafios que enfrentamos ao longo dos dias e da vida. O que me ajuda a atravessá-los , a superará-los é sem dúvida minha disciplina, minha vontade de chegar lá do outro lado da ponte, da ideia, do pensamento e especialmente conquistar um sonho.

Normalmente, quando falamos de sonhos, temos a sensação de que precisa ser algum feito enorme, distante, longe, quase impossível ou que demanda muito esforço, muito dinheiro, muito de um tanto de coisas.

Alguns sonhos precisam basicamente do nosso compromisso interno. Aos 37 anos, posso dizer que já realizei alguns sonhos, quando penso sobre eles fico feliz, orgulhosa e sei o que tive que fazer para chegar a tal ponto. Trago em mim essa vontade e confiança na vida.  É possível realizar muitas coisas na vida, sim, pessoas incríveis aparecem no caminho, outras não tão bacanas também, mas não se apegue a elas, não se identifique com elas, desvie, não perca de foco sua força, seu sonho, sua fé, sua bondade, seu brilho, sua inteireza.

Por alguma razão esquisita, encontramos pessoas que nos sugam para baixo, se alimentam da nossa energia, nos fazem sentir péssimas, ruins, menores, mas na verdade, acabamos dando a estas pessoas tal poder. Aos poucos, aprendi que quando me deparar com pessoas que vibram esta frequência, é preciso ver, reconhecer e desviar por mais doloroso que seja. Para isso, é fundamental ter clareza do que lhe trouxe até aqui na vida. Quais foram as dificuldades que você passou; o que superou; o que doeu; o que você venceu?

Desde pequena estou nessa corrida de superação. Superação de doenças, de fé, de bullying, de abusos, de medos, de chacotas com meus medos, com meu potencial. Durante minha infância sempre fui gordinha, sofri muito por isso. Tinha medo de me expor, de me posicionar. Mas quando eu chegava à minha casa, era tudo tão diferente. Era reconhecida, era amada, podia ser o que eu quisesse. Mas a dor e desconforto vividos na escola ficaram gravados fortemente em mim. Não me achava boa o suficiente em nada; nem em matemática, nem português, nem nos esportes, nem era popular, nem meiga, nem voltada para as artes. Foi muito duro atravessar essa fase da vida e me lembro de pensar comigo porque aquelas pessoas eram tão cruéis, porque aqueles amigos não eram amigos de verdade, porque aqueles professores não viam o que estava acontecendo? Na adolescência encontrei um grupo de amigas que embora me deixassem mais forte e me permitissem ser autêntica e gostassem de mim assim como era, alguma voz interna repetia todas as descrenças que tinha aprendido sobre mim.

Talvez por isso eu me identifique tanto com o universo escolar e suas dores. Essa é uma das áreas da minha vida, ajudar alunos e educadores a acreditarem um nos outros. A serem pessoas boas, amigas, justas, empáticas e acolhedoras.

Mesmo com tanto trabalho interior, tantas terapias, ferramentas, conhecimento, preciso até hoje manter a mente alerta e me posicionar quando estes pensamentos fracos querem me pegar. No fundo, sou forte, sou firme, sou competente e boa em muitas áreas da minha vida e sim, aqui chego aonde comecei quando decidir escrever hoje; realizei muitos sonhos até então e apesar de tantas rasteiras da vida. Não me deixei levar o tempo todo pelo que os outros diziam de mim. Felizmente, tive quem pudesse me resgatar, me ver, me colocar para frente, para cima, ver meu brilho.

Percebo que minha força é a força de muitas, muitos, é potencial lapidado a custa de alguns choros, medos, dores, desesperos, tristezas profundas, saudades sem fim, mas também de muita fé, muita confiança, firmeza, alegria, brincadeira, gratidão, amizades, amor e exemplos incríveis ao longo do caminho.

Quais são os seus sonhos? Você acredita que é possível conquistá-los? O que você tem feito por eles?

Ter um sonho, acreditar que é possível alcançar, ver o que é preciso para chegar lá, ajustar quantas vezes forem necessárias à rota que te levará lá. Não se esqueça de agradecer tudo que chegar pelo caminho. Se esmorecer, não tem problema. Pare, chore, cansamos no meio do percurso. A vida não é brincadeira, né? Tem umas paradas muito pesadas e exigentes. É preciso muita calma e discernimento para não se desesperar e desistir.

Não desista. Ajuste, mude, cure o que tem que ser curado, transmute e se permita renascer a cada queda. Sabemos que no meio do caminho podemos cair e muitas vezes tomar cada tombo… Mas se aprume, se reorganize por dentro e por fora e tenha esperança. Essa é sua vida e desejo que você seja e esteja sob sua própria maestria.

Dani.

0 visualização
Inscreva-se para receber conteúdos e novidades!