Sobre meu Pai amado e muita saudade

Hoje faz 3 anos que meu pai fez a passagem. E hoje não tenho como não escrever sobre o dia mais desesperador da minha vida. Sobre o momento em que eu definitivamente não pude fazer nada para salvar a vida dele. Sobre a tristeza de não ter mais meu pai neste plano. Sobre o momento em que contei para a minha mãe que o nosso querido tinha lutado bravamente pela vida dele, mas que o corpo já estava muito cansado e ele tinha ido viver em outro plano. Sobre a saudade do sorriso, da voz, da amizade, da presença.

Quando lembro da minha infância não tenho memórias muito claras de meu pai me levando para parquinho ou sentado brincando comigo no chão e sei que muitas vezes isso não é o fundamental. Existem formas diferentes de estar presente, de cuidar, de amar, de honrar o mistério que é ser Pai, que é ser Mãe. Ele foi um Pai incrível. Um exemplo. Eu cheguei na sua vida quando ele já estava com 49 anos e com mais 3 filhos crescidos. Eu sou a caçula da família e sim, sempre fui muito amada e paparicada, tipo dedicação e amor sem limites. Lembro dele sempre ao lado. Lembro dele sempre tão generoso. Lembro de ter um pai que gostava e valorizava coisas simples, partes da história do nosso país e do nosso povo que quase ninguém sabia. Conversar com ele era sempre um momento de aula de história. Talvez por isso tenha me inspirado a fazer a minha primeira formação em História.

Meu pai foi um grande Homem. Um exemplo de coragem, lealdade, honestidade. Esteve sempre ao lado de todos que precisaram de sua ajuda. Esteve sempre, sempre ao meu lado. Era um homem de valores muito claros. Um Ser que construiu uma vida próspera e abundante ao lado de minha mãe com empenho, esforço, compromisso com a vida, com nossa família.

Eu e meus filhos tivemos o privilégio e a felicidade de morar com eles os últimos 3 anos de sua vida. E a sensação era de que estávamos aproveitando todo e qualquer tempo que não tínhamos tido quando eu era criança e adolescente por conta do trabalho dele. Ele sempre foi muito comprometido e responsável e dedicou muito de sua vida a serviço da justiça. Meu pai além de ter sido ministro do Superior Tribunal de Justiça era escritor, pesquisador e amante da natureza. Gostava de ir para a chácara, acordar cedinho, escutar os pássaros, gostava de ópera e de tirar uma soneca depois do almoço.

Era muito sábio, muito correto e simples. Lembro que no momento de sua morte pensava comigo mesma sobre que maravilha é poder fazer a passagem e deixar tudo em ordem por aqui. Ele deixou tudo bem organizado, todos os documentos. Ele sempre tinha alguma coisa planejada para fazer. Muita pesquisa, livros que escreveu, o cuidado semanal da chácara, e aproveitar a presença de quem quer que chegasse perto. Meus filhos aproveitaram bastante e eu também.

Hoje transbordo de saudade e também de muita gratidão. É realmente um presente ser filha dele, uma honra. Ele continua bem juntinho de mim, eu sinto. Estamos mais próximos do que nunca. Sua história me inspira e orienta minha vida.

Meu desejo é caminhar na ordem (respeito, amor, limites, cuidado, ajuda, generosidade, paz, tranquilidade, liberdade, igualdade, verdade e com consciência) e com integridade que nem ele me ensinou e honrar não só a minha história como a de todos que vieram antes e através de mim.

Com saudade, amor e gratidão, Dani

#amor #família #pai

0 visualização
Inscreva-se para receber conteúdos e novidades!